domingo, 30 de janeiro de 2011

Orquestra de Violões da AV-RIO

video

Olá pessoal, estarei apresentado uns dos grupos que eu participo e mostrando o vídeo que foi gravado na "Série Violões da AV-Rio" no CCJF (Centro Cultural da Justiça Federal) em setembro de 2010.
A Orquestra de Violões da AV-RIO foi criada no início de 2009, como resultado de uma idéia amadurecida por alguns anos e realizada pela iniciativa do saudoso Júlio de Cepêda, com o entusiasmo de muitos dos que a compõem ainda hoje.
Atualmente constituída por treze componentes, entre músicos amadores, estudantes e profissionais, conta com a coordenação musical do violonista Felipe Rodrigues, e mantêm ensaios abertos ao público no Centro Cultural Oduvaldo Vianna Filho, o Castelinho do Flamengo, sempre nas tardes de sábado.
Em seu repertório apresenta um painel dos principais períodos e estilos musicais, assim como a produção contemporânea de compositores nacionais e estrangeiros. Contribui ainda para a ampliação do repertório de câmara para violões na interpretação de arranjos dos próprios membros da orquestra.
Gravou para o CD “Violões da AV-RIO Vol. 3” a música “Prelúdio e Dança 2”, de Luis Carlos Barbieri, e apresentou-se em diversos espaços da cidade do Rio de Janeiro, como a Sala Baden Powell e o Centro Cultural Justiça Federal.

Integrantes:
Felipe Rodrigues (direção artística),  Alberto Brandão, Adriana Ballesté, Henrique Brum, Olivia Araújo, Francisco Couri, Waldinar Menezes, Wilson Régis, Celso Cerbella, Cedmon Alves, Ivan Martins, Thiago Marcondes e Klaus Grunwald.


Site:

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Etimologia do termo Violão

Pintura impressionista de: Amadeu de Souza Cardoso
    
  O termo violão, utilizado no Brasil para designar o instrumento musical chamado guitarra na Espanha e viola em Portugal, é aumentativo do termo português viola, que assim como vihuela do espanhol, deriva do occitânico antigo, viula, (as vezes, viola), derivado do verbo viular (tocar viola ou instrumento de vento), de caráter provavelmente onomatopaico, embora haja quem lhe atribua origem germânica. 
    Na Europa, o termo viola, referia-se a uma familia de instrumentos musicais tocados com arco, que se difundiu pela Europa dos séc. XIV ao séc. XVIII em Portugal o termo viola referia-se ainda a um conjunto de instrumentos musicais portugueses, com caixa em forma de 8, e 5 ordens duplas (as vezes triplas) de cordas, desenvolveram-se a partir da vihuela espanhola, porém, com suas caixas de ressonância pequenas e as cinturas bastante acentuadas, (ancestrais da viola-brasileira). Ainda hoje são encontradas em Portugal.
    Em meados do séc XIX, na Espanha, a guitarra romântica do começo do século, passou por um processo de transformação importantíssimo que, entre outros avanços, definiu a utilização de 6 cordas com o comprimento de 650mm e incrementou o tamanho da caixa de ressonância, continuando no entanto, apesar das transformações, sendo chamada de guitarra.
    Este instrumento, chegou a Portugal (sec. XVIII) e por ter sua caixa de ressonância em forma de 8, como as violas portuguesas, porém de tamanho maior e sonoridade mais grave, passou a ser chamado violão ( uma viola grande), termo que foi utilizado naquele país até meados do séc. XX, hoje é chamado de viola e as antigas violas-portuguesas, violas-de-10-cordas.
    No Brasil, ocorreu o mesmo fenômeno linguístico, o termo viola, já era utilizado para designar o ancestral do instrumento que hoje conhecemos como viola-brasileira, viola-caipira ou viola-de-10 cordas, portanto, ao desembarcar no Brasil (séc. XIX), o termo violão foi facil e rapidamente assimilado, visto que, o “novo” instrumento apresentava suas dimensões maiores que as da viola.   
   O termo violão é também utilizado no Brasil, para designar toda uma “família” de instrumentos musicais, assim temos, violão-tenor, violão-baixo, violão-de-7-cordas, violão-cordas-de-aço, violão-12-cordas, violão-harpa, etc.
Texto de: Edson Valencio

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

VI Congresso Chileno de Musicologia


Olá pessoal, eu (Klaus) e mais dois amigos (Marcia e Roberto) fomos selecionados para uma apresentação do nosso artigo “EDUCAÇÃO MUSICAL E PERFORMANCE EM GRUPO: CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO ALUNO E SEU PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO NA COMUNIDADE ESCOLAR no VI Congresso Chileno de Musicologia.
O surgimento desse artigo foi uma proposta do I Seminário de Educação da Maré: refletindo sobre o ensino fundamental, a ser realizado em 07 de novembro de 2009, é fruto de um processo de trabalho e parceria entre a Redes de Desenvolvimento da Maré, 8 escolas públicas do bairro, a IV Coordenadoria Regional de Ensino e a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro. Este artigo foi selecionado junto com outros para a publicação de um livro, que reflita sobre escola, educação, segurança pública e diferentes formas de violência na Maré, com o objetivo de sistematizar reflexões e experiências que contribuam para as políticas públicas.
O VI Congresso Chileno de Musicologia vai do período do dia 12 à 15 de janeiro de 2011 no Instituto de Música de lá Pontificia / Universidad Católica de Chile na AV. Jaime Guzmán Errázuriz 3300 – Providencia, Santiago – Chile.
 O artigo estarei disponibilizando em PDF e os vídeos para Download.